31 outubro 2008

Róisín Murphy no Coliseu de Lisboa: Não Se Cansa de Ser Sexy


(foto: Miguel Puga, Blitz)

Grande noite de ambiente dançável e festivo no Coliseu de Lisboa com a sala quase cheia para reencontrar a irrequieta Róisín Murphy que tornou a celebração dos 10 anos da Rádio Oxigénio num serão memorável.

Noite de quinta feira chuvosa de outono e Lisboa com a oferecer várias opções só em termos de concertos em várias salas da capital.
Quem optou pelo Coliseu não se arrependeu porque teve tudo o que podia esperar de um concerto de Róisín Murphy. A irlandesa já tinha deixado água na boca na sua passagem pelo Festival Alive! no verão passado, e agora teve oportunidade de confirmar toda a sua qualidade perante uma plateia numerosa.

Os tempos dos Moloko já vão longe. Mais do hits planetários, Róisín pode orgulhar-se de ter estado num dos mais emblemáticos discos electro dançáveis da década de 90, «Do You Like My Tight Sweater?». Os tempos de amor com Mark Brydon terminaram em 2003 e a vocalista decidiu-se por uma carreira a solo que está a chegar mais longe do que se podia pensar muito graças à sua performance em palco.
Esta noite Lisboa pôde contemplar toda a força, e todos os argumentos de Róisín Murphy ao vivo. A juntar à excelente voz sempre em harmonia com as batidas de cada canção, ela exibe todo um charme que varia com a frequente troca de roupa. Calças justas brancas e pretas, saltos bem altos, plumas, chapéus, casacos exóticos, um guarda roupa de respeito e que é usado ao ritmo de cada tema. A pose é quase sempre de loura sexy que muda o visual com óculos de escriturária, e depois escuros, exibindo luvas curtas pretas, ou longas rosas, e sempre com o seu quê de provocadora para as primeiras filas da plateia.
Tudo isto sem perder um enorme fôlego que lhe permite estar em alta rotação durante duas horas já contado com encore.

Todas as canções que o público queria dançar, mais do que ouvir, dos dois discos a solo já editados ( o 3º está para breve) «Ruby Blue», e «Overpowered» foram desfilados, e acolhidos em ambiente de festa.
Mas não se pense que foi só ver a vocalista a comandar uma banda concentrada a debitar electro batidas. Houve uma boa parte da actuação em registo surpreendente quando os músicos, e as duas meninas do coro, se juntaram num canto do palco para interpretarem uma mão cheia de temas num registo unplugged que a MTV não desdenharia!

A noite terminou com a famosa versão de «Slave to Love» que Brian Ferry aprovaria certamente e que serviu de banda sonora a um anúncio da Gucci.
Um concerto que teve o carimbo da Rádio Oxigénio que festeja os seus 10 anos de vida e que teve em Murphy a representante musical ideal para uma festa de arromba.
Todos de parabéns, Róisín, Oxigénio, e público que criou bonita atmosfera.

30 outubro 2008

Noite de Muitos Concertos

Como se pode ver nos posts mais para baixo só na noite de hoje há vários concertos para todos os gostos e disposições.
Voltámos à epoca alta de concertos com a chegada real do Outono.
É só escolher a sala e deixar a música combater o frio e a chuva.

The Legendary Tiger Man Hoje no Santiago Alquimista

Paulo Furtado está a preparar novo álbum na pele de Legendary Tiger Man, homem-de-sabe-deus-quantos-intrumentos que é mensageiro de um western blues rock em estado cru, a desaguar directamente no delta do Mississipi. O sucessor de "Masquerade" tem por título "Femina" e promete trazer vários duetos provocantes entre Furtado e mulheres (Asia Argento é uma delas).
Para ver hoje no Santiago Alquimista a partir das 22h. A entrada vale 10 eur.

Róisín Murphy Hoje no Coliseu Lisboa



Se nos Moloko Róisín Murphy já era uma força incontrolável, a solo não há quem a dome. A forma como aqueceu a tenda do Alive! não podia ter sido melhor cartão de visita para o concerto marcado para hoje.
Passeando-se entre a pop e a música de dança, Murphy canta temas seus e resgata outros os Moloko, para protagonizar espectáculos imparáveis, deliciosamente extravagantes e musicalmente bem envolvidos. Estamos a falar da voz de êxitos como "Sing it back" ou Forever more", que, quando se lançou a solo, não fez a coisa por menos e chamou Matthew Herbert, génio da electrónica, para produzir o álbum de estreia, "Ruby Blue" (2005). Se ainda houvesse alguma coisa a provar, "Overpowered" (2007) tirou todas as dúvidas.
Amanhã, vai à Casa da Música, Porto, comandar os destinos de mais uma noite Clubbing.

in público

Thee Silver Mt. Zion Memorial Orchestra & Tra-La-La Band (Lisboa) Hoje na ZdB

É um dos concertos mais aguardados da temporada.
O projecto, que inclui antigos elementos dos Godspeed You! Black Emperor, está no centro das atenções dos amantes do pós-rock que faz conviver folk, tons sinfónicos, coros e experiências sonoras diversas. Está prometida uma noite surpreendente, irrepetível e inesquecível.
Já está esgotado há uns dias.

José Mário Branco & Gaiteiros de Lisboa na Culturgest : Mudar de Vida 2

A Culturgest desafiou José Mário Branco a criar um espectáculo único. A resposta do revolucionário cantautor é dada de três formas: com um conjunto de músicos que o têm acompanhado; com um quarteto de cordas (como em "Resistir É Vencer") e com os Gaiteiros de Lisboa (grupo a que chegou a pertencer). O concerto destina-se também a mostrar um tema novo: "Mudar de vida".
Para ver hoje e amanhã no Grande Auditório.

Eminem de Volta

Depois de três anos de retiro musical, o controverso rapper Eminem está de regresso aos discos com "Relapse". O anúncio surgiu, segundo a revista "Billboard", pelo próprio durante a festa de lançamento do seu livro "The Way I Am", na rádio que ele detém, a Shade 45.

"Existem muitos títulos para o meu álbum que andam por aí e são falsos", disse Eminem, ao revelar o nome do disco. O cantor premiado com um Oscar também lançou uma faixa nova, "I'm Having a Relapse". Não existe ainda data oficial de lançamento de "Relapse", mas prevê-se que o 6ª álbum chegue às lojas até o final de 2008.

29 outubro 2008

Cansei de Ser Sexy no Coliseu de Lisboa - Rapidinha!


( foto - Rita Carmo, blitz)

O Coliseu de Lisboa esteve longe de encher para receber o regresso dos brasileiros Cansei de Ser Sexy a Lisboa talvez porque os fãs da banda estão a diminuir depois do lançamento deste segundo disco. É verdade que a passagem da vocalista Lovefoxx e companhia voltou a agitar as massas, mas a curta duração da actuação deixou no ar uma sensação de rapidinha que soube a pouco.

A vantagem de assistirmos a um concerto na hora certa, no momento certo, é, entre muitas outras, o facto de a partir dali termos sempre um ponto de comparação para avaliarmos futuros espectáculos. No caso dos brasileiros a sua passagem por Paredes de Coura no ano passado foi inesquecível, e prolongaram a magia no Lux na altura em que o disco de estreia era obrigatório nos ambientes mais dançáveis da Europa com uma mão cheia de grandes temas que foram consumidos durante meses.

A imprensa inglesa que andou com os CSS ao colo maravilhada com o disco de estreia, e atraída pelo selo da editora Sub Pop, resolveu deixá-los cair logo ao segundo disco com criticas pouco positivas nas páginas das principais revistas mensais. A esta perda de fulgor não será alheia a zanga com o manager da banda, assim como a saída da baixista Iracema Trevisan. Mas a principal razão será mesmo a menor inspiração registada em «Donkey», o disco editado já este ano.

Foi, naturalmente, sobre este novo registo que a actuação dos paulistas rodou. Bem recebidas as canções «Left Behind», ou «Rat is Dead» não conseguiram fazer esquecer a genica das antigas «Meeting Paris Hilton», «My Hot Hot Sex», ou a grande «Superafim». Mesmo o momento mais esperado da noite soube a pouco. A interpretação de «Let`s Make Love and Listen to Death From Above» foi despachada com a voz de Lovefoxx a ser abafada pelo alto volume com que o som dos instrumentos ecoava na sala.

Do ponto de vista da entrega, e atitude em palco, nada a apontar. A vocalista sempre irrequieta, mostrou sempre a sua alegria de estar de volta, poder falar português, e fez questão que não se esqueceu do vinho verde que conheceu no Minho, nem dos pastéis de Lisboa. Mas o alinhamento foi surpreendentemente curto. Ao fim de três quartos de hora já o grupo saía para depois voltar para um encore de 15 minutos. Os Cansei de Ser Sexy dão ideia de estarem também cansados da estrada e precisam de se concentrar num 3º álbum ao nível da estreia se não querem cair no esquecimento colectivo.

in disco digital

28 outubro 2008

Cansei de Ser Sexy Hoje no Coliseu de Lisboa


É o regresso dos brasileiros Cansei de Ser Sexy a Portugal.
Logo à noite dançar-se-à ao som de “Let’s Make Love and Listen Death From Above” e outros temas já bem conhecidos da urbe atenta às movimentações das pistas de dança.
Concerto animado e mexido em perspectiva.
A 1ª parte é dos portugueses Ex-Wife.

27 outubro 2008

Hoje Incognito no Casino Lisboa

Na vanguarda do movimento acid jazz nos anos 80, entre o 1º álbum, "Jazz Funk" (1981), e o mais recente, "Tales From The Beach" (2008), os Incognito firmaram-se como um dos maiores fenómenos da música inglesa dos últimos 20 anos.

Grandes sucessos como "Always There" e "Don't You Worry 'Bout A Thing" tornam possível que, três décadas depois, continuem a ser uma das bandas mais requisitadas do cenário Jazz Funk inglês.

Pitchforkmedia.com em Papel!

O site de música Pitchforkmedia.com passou pela primeira vez a papel com a edição de um guia com as 500 melhores canções de 1977 a 2006. "The Pitchfork 500: Our Guide to the Greatest Songs from Punk to the Present" é lançado a 11 de Novembro.

De Brian Eno, Iggy Pop e David Bowie até Arcade Fire, The White Stripes e Kanye West, o guia da "Pitchfork" passa por todos os géneros de música e artistas.

Nomeado pela "The New York Times Magazine" como o "melhor site de crítica musical na Internet", o Pitchforkmedia.com nasceu em 1995 e rapidamente se tornou um dos sites mais visitados, com mais de 1,6 milhões de leitores mensais.

26 outubro 2008

Os Guns a Tramarem a Dr. Pepper

Não sabemos que tipo de desespero levou a marca de bebidas Dr. Pepper a prometer um refresco grátis a cada norte-americano (são mais de 300 milhões, pelas últimas contas da CIA) se os Guns 'n' Roses se deixassem de fitas e lançassem o novo álbum, "Chinese Democracy", até ao final do ano. O que sabemos é que os Guns 'n' Roses vão lançar o novo álbum até ao final do ano - é já no dia 23 de Novembro - e que a Dr. Pepper lá terá de oferecer 301139947 garrafas à América (a Dr. Pepper e a sua grande boca...).

Não há outra saída, admitiu um porta-voz da empresa à BBC: "Agora, tudo o que podemos fazer é continuar com a promoção".

A logística vai ser menos aparatosa do que à partida poderíamos supor (ah, as maravilhas da info-inclusão!): a Dr. Pepper vai colocar na sua página da Internet um vale à disposição de cada norte-americano que poderá ser reclamado até 24 horas depois do lançamento do disco. Depois de inscritos, os interessados só têm de esperar umas semanitas pelo vale e de o trocar por uma garrafa na loja de conveniência mais próxima.

A "demonstração de solidariedade sem precedentes" da Dr. Pepper só não tem uma cobertura tão universal como a do plano de saúde proposto por Barack Obama porque há dois americanos que vão ficar de fora (e até já foram da banda): os guitarristas Slash e Buckethead.
in Público

25 outubro 2008

Hoje é Dia de Casamento


Felicidades aos noivos. E aqui vou eu até Ponte de Lima.

24 outubro 2008

Lily Allen de Volta

A grande Lily Allen dá sinais de regresso com a publicação de um novo original no seu myspace. E é giro:
Everyone's At It

23 outubro 2008

Omara Portuondo na Aula Magna: Nós é Que Agradecemos

Noite de emoções na Aula Magna em Lisboa a registar boa afluência de público apesar dos preços altos dos bilhetes. A senhora revelada pela odisseia da família Buena Vista Social Club esteve à altura das altas expectativas dos que ansiavam ouvir a sua doce voz a embelezar clássicos do universo musical sul americano. Com uma vitalidade notável, Omara conseguiu levantar a Aula Magna depois de mais de uma hora a arrepiar, alegrar, e aquecer corações.

Costuma dizer-se que não é elegante falar da idade das senhoras. Omara é uma excepção, e por isso comecemos logo por lembrar que começou a sua carreira em 1945, e portanto eram naturais os receios à porta da sala sobre a forma em que a iamos ver.
Em poucos minutos dúvidas dissipadas. Portuondo está em digressão porque está no pleno das suas faculdades. Aos 78 anos canta sem mácula, passeia-se pelo palco, mete-se com a plateia, e ensaia o seu pézinho de dança. Mesmo quando está sentada é uma figura expressiva. Física, e vocalmente, aprovadíssima.

O concerto vive muito do conceito do recentemente editado disco «Gracias». Faz sentido. Omara está a gozar o efeito de uma fama que tardou mas não falhou. Graças à aventura Buena Vista Social Club o mundo passou a conhecer as vozes mais bem guardadas de Cuba. E se homens como Ibrahim Ferrer, devidamente homenageado quando se ouviu «Dos Gardenias», ou Compay Segundo já não tiveram muito tempo para sentir a consagração mundial, Oamara aproveita as suas forças para agradecer a felicidade do reconhecimento de todos.

É natural que entre em palco ao som da canção «Gracias», e termina a noite abandonando o palco a cantarolar a mesma música. Sai-lhe da alma sinceramente, e comove-nos a todos.
A noite foi sempre assim, emocionante. É engraçado o contraste em palco. Na frente a diva cubana vestindo um alegre traje amarelado, em seu redor cinco excelentes músicos trajando discretamente tons escuros para que a vocalista seja o centro de todas as atenções. Curiosamente os músicos são todos jovens virtuosos que olham para a sua líder com um respeito e carinho digno de assinalar.

Momentos mais marcantes da noite foram os que resultaram da interacção com o público. Omara pede muitas vezes a colaboração de quem assiste, e até conseguiu fazer saltar da primeira fila um espectador mais afoito que não se inibiu de cantar, e dançar de mão dada com a diva.
Durante mais de uma hora seguida ouviram-se as canções do novo disco com destaque para arrebatadora versão de «O Que Será» de Chico Buarque.
Depois houve tempo para uma longa apresentação da banda que sozinha em palco deliciou a sala com os inconfundíveis ritmos cubanos sempre guiados pelas notas de piano.

Foram cerca de 15 minutos instrumentais que serviram para Omara ganhar balanço para uma recta final de concerto entusiasmante com direito a encore e tudo. Privilégio total para quem pode a partir desta noite dizer que já cantou «Besame Mucho», e «Guantanamera» com a voz feminina mais emblemática de Cuba. Sendo que esta última canção levou mesmo o público a saltar das cadeiras e a abafar o som de palco cantando a plenos pulmões. Em jeito de retribuição, Omara foi saindo de cena cantando impecavelmente o refrão de «Uma Casa Portuguesa» celebrizado pela nossa diva Amália.
Noite perfeita.

in Disco Digital

22 outubro 2008

Omara Portuondo hoje na Aula Magna


Omara Portuondo vem apresentar o novo álbum «Gracias» à Aula Magna, hoje a partir das 22h00.
Esta deverá ser a última digressão da cantora cubana que fez parte da movida de Buena Vista Social Club. O preço dos bilhetes varia entre os 35 e os 45 euros.

Em jeito de celebração deixo aqui o disco «Gracias» para ser devidamente escutado:
Gracias

21 outubro 2008

Eels ao Vivo de Borla

Os norte-americanos Eels disponibilizaram um EP ao vivo que pode ser descarregado gratuitamente no seu site oficial (Eelstheband.com).

Os quatro temas - «Fresh Feeling», «Packing Blankets», «Jeannie's Diary» e «Climbing To The Moon» – foram gravados numa actuação em Manchester, em 2005.

O EP pode ser descarregado até dia 28 de Outubro, data em que a banda edita uma versão com três discos do seu álbum de 2005, «Blinking Lights And Other Revelations».

20 outubro 2008

Kill Your Idols na Pitchfork.TV



S.A. Cary presents the intricate history of New York's art-punk scene in this 2006 PALM documentary. The influence of bands such as Suicide, Teenage Jesus & The Jerks & the Sonic Youth, is assessed with current bands such as The Yeah Yeah Yeahs and Liars.

19 outubro 2008

Deolinda na Aula Magna: Uma Casa Portuguesa, com certeza


(foto: Rita Carmo - blitz )

A Deolinda apareceu tímida no início de 2008 e aos poucos foi espalhando a mensagem de uma música talhada para ser uma das sensações do ano. Em Maio o Disco Digital tinha avisado após o concerto do Cinema São Jorge que o grupo de Ana Bacalhau ia fazer furor. Esta noite na Aula Magna não só corresponderam às expectativas como ainda foram contemplados com uma sala esgotada, rendida e histérica a cada canção ao lado.

A nossa reportagem do concerto de Maio terminava assim: «O leitor lembre-se que enquanto não vir a Deolinda ao vivo, o seu ano de 2008 , musicalmente, não faz sentido». Quase meio ano depois, e depois de mais um testemunho positivo por alturas do Sudoeste, a profecia concretizou-se, e hoje em dia a Deolinda já faz parte do gosto popular.

Com um disco editado encheram a Aula Magna e souberam gerir uma hora e meia de concerto inteligentemente com a vocalista a fazer introduções a todas a canções, com direito a alguns encores, algumas repetições, e apresentando já novas músicas que não estão no álbum, abrindo caminho para uma sucessão confiante do primeiro trabalho.

A noite foi de total celebração. Os momentos imprevistos vieram só com as canções não editadas, de resto foi uma harmonia perfeita entre músicos e público já completamente rendido ao encanto da Deolinda. O palco estava despido como poucas vezes se viu naquela sala aproveitando, e muito bem, o cenário natural da Aula Magna com as pinturas a invocarem bem o que é nacional. Tudo a fazer sentido na música bem portuguesa que a Deolinda nos serve. Fado que não chega a ser fado tradiocional, humor inteligente, caricaturas, e sátiras ao quotidiano nacional bem disfarçados em letras bem construídas apoiadas numa sonoridade sempre familiar.

A Deolinda encontrou a receita de sucesso e está na fase de saborear o reconhecimento do público. Um caso de sucesso que é mais do que merecido, e que nos faz vibrar a todos. Afinal estão ali as nossas raízes, tradições, e também o nosso dia a dia. Um concerto em grande para celebrar a melhor estreia discográfica nacional dos últimos tempos. Longa vida à Deolinda!

18 outubro 2008

Deolinda na Aula Magna

Hoje a Deolinda chega à Aula Magna, ponto alto de uma trajectória surpreendente e cheia de bons concertos por esse país fora.
Depois do Cinema São Jorge, e o Festival SW, o concerto de consagração do disco de estreia da Deolina esgotou a Aula Magna para os ver logo à noite às 22h.

17 outubro 2008

Kaiser Chiefs em 2009 Lisboa e Porto

Os britânicos Kaiser Chiefs vêm a Portugal, apresentar o novo álbum “Off With Their Heads” em dois concertos nos Coliseus do Porto e Lisboa, dias 31 de Janeiro e 1 de Fevereiro, respectivamente.

16 outubro 2008

Passmúsica... Passemos a Reflectir

Leio a notícia escrita pela amiga Lia Pereira no site Blitz que dá conta de uma acção da Passmúsica, a que Miguel Guedes (Blind Zero) dá voz, que conseguiu proibir uma discoteca de continuar a passar música (lá está) não autorizada.
Há razões das duas partes, mas será mesmo por aqui que devemos ir numa altura em que os discos em forma física vão deseaparecendo das montras?

Fica aqui a notícia
Passmúsica vence primeira "batalha". Até ao final do ano, entidade tem mais cinco centenas de estabelecimentos na mira.

A Passmúsica venceu esta semana a primeira de 500 providências cautelares que, até ao final deste ano, pretende intentar contra bares e discotecas sem licença para passar música e vídeos musicais.

O bar Del Rio, em Viana do Castelo, foi a primeira "vítima", estando proibido pelo tribunal de "continuar a execução pública não autorizada de fonogramas musicais".

O estabelecimento viu também serem apreendidos "todos os bens e instrumentos que sirvam para a prática dessa execução", como amplificadores, colunas de som, mesas de mistura, equalizadores, leitores de CDs, gira-discos, bem como os próprios discos, cassetes ou quaisquer outros suportes musicais.

Um dos representantes da Passmúsica e vocalista dos Blind Zero, Miguel Guedes, considera que esta decisão judicial é "um grande momento para a Passmúsica, para a defesa dos direitos conexos em particular e, de uma forma geral, para a Propriedade Intelectual em Portugal".

"Com esta sentença temos o primeiro reconhecimento judicial expresso, no foro civil, do direito de se impedir a execução pública de fonogramas não autorizada pelos respectivos artistas e produtores, que lesa de forma escandalosa os direitos destes para benefício comercial dos proprietários destes espaços", acrescenta Miguel Guedes em comunicado.

Rita Carmo Expõe em Almada



Segundo notícia na Blitz, Músicas , a exposição assinada por Rita Carmo com fotografias de alguns maiores projectos nacionais capturadas em sessões próprias desde os anos 90 está desde este fim-de-semana patente no Convento dos Capuchos, em Almada.

A mostra inclui trabalhos publicados no livro Altas-Luzes , de 2003, entre outros posteriores expostos na Fnac parisiense do centro comercial Les Halles e na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

A fotógrafa colabora com a BLITZ desde 1992, tendo ainda fotografias editadas no Expresso, Visão, Ler, DIF e em publicações estrangeiras como o Daily Mail, do Reino Unido ou as japonesas Rockin'On e Snoozer Mag.

15 outubro 2008

OASIS no Atlântico a 15 de Fevereiro

A Everything is New anuncia os Oasis, dia 15 de Fevereiro no Pavilhão Atlântico, num concerto integrado na maior digressão da banda pela Europa Ocidental, de Janeiro a Março de 2009, em apresentação do novo álbum “Dig Out Your Soul”.

A digressão europeia marca a fase seguinte da tournée mundial dos Oasis em 2008/2009 e acontece no seguimento das digressões pelo Canadá, Reino Unido, México e Estados Unidos.
Os bilhetes são colocados à venda amanhã, dia 16 de Outubro, a partir das 11 horas.

“Dig Out Your Soul”, o primeiro álbum lançado internacionalmente pela editora criada pela banda, Big Brother Recordings, está já a venda.

14 outubro 2008

Buena Vista Social Club At Carnegie Hall


Dois discos que registam a magia da música cubana em sala de luxo americana.
Imperdível:
Buena Vista Social Club At Carnegie Hall

13 outubro 2008

O Novo de Pascal Comelade



Um disco a ouvir este ano é o regresso de Pascal Comelade.
"The No Dancing" pode ser ouvido a partir do Bolachas Grátis.

12 outubro 2008

Mafalda Arnauth no CCB: Flor de Estufa

A noite de sábado estava reservada para o regresso do fado ao grande auditório do CCB. Mais propriamente para o regresso de Mafalda Arnauth que apresentou o seu mais recente disco, «Flor de Fado», ao público lisboeta que não compareceu em número suficiente para encher a sala de Belém.

Este «Flor de Fado» é um disco especial que representa a súmula dos espectáculos que a fadista andou a apresentar pelo nosso país, e que levou até ao estrangeiro. Serve como que um balanço na sua carreira que já completou uma década de existência. Mafalda Arnauth foi das primeiras vozes jovens a pegar na pesada herança do fado para lhe dar um cunho pessoal e seguir caminhos paralelos que extravasam as fronteiras rigorosas que regem esta música de raíz tão portuguesa.

Foi sem surpresa que no CCB se viu uma Mafalda impecável na interpretação dos fados mais clássicos, e à vontade quando as guitarras foram substituídas pelo piano. Não esteve tão feliz nos diálogos com a plateia baralhando-se quando quis comparar os seus músicos a uma tripulação de caravela. Talvez pela falta de inspiração na comunicação o público também nunca respondeu de forma arrebatadora deixando sempre um ambiente morno no ar.

Mafalda Arnauth percorreu «Flor de Fado» ao longo dos seus 10 inéditos e das 3 versões «Tinta Verde» (Vitorino), «Flor de Verde Pinho» (Manuel Alegre, José Niza) e «Povo Que Lavas No Rio» (Pedro Homem de Mello), este último fado cantado de forma arrebatadora.

A fadista já ganhou o seu merecido espaço na galeria da renovação de fadistas, e mostrou que podemos contar com ela para o futuro do fado, e derivados que ela tanto gosta de visitar.

11 outubro 2008

Josephine Foster + Sonny Simmons + Bobby Few + Masa Kamaguchi + Osso Exótico (Lisboa) Hoje no 14º Aniversário da ZDB

Parabéns à Galeria Zé dos Bois no Bairro Alto. São 14 anos devidamente festejados logo à noite.
O Jazz Ao Centro Clube e a Zé dos Bois trazem a Portugal o trio que junta os norte-americanos Sonny Simmons (saxofone) e Bobby Few (piano), duas figuras marcantes da história do jazz contemporâneo, ao japonês Masa Kamagushi (contraixo).
O aniversário é marcado também pelo regresso de Josephine Foster.

Josephine Foster é hoje uma das mais talentosas compositoras norte-americanas. Com uma conturbada passagem pela escola de ópera, da qual desistiu pela rigidez do ensino, encontrou nas suas composições a liberdade formal e criativa que tanto ambicionava. Depois de alguns lançamentos caseiros mais ou menos obscuros, gravou enquanto Born Heller, duo que partilha com o contrabaixista Jason Ajemian. No entanto, é com a inclusão de uma canção sua em Golden Apples Of The Sun - compilação curada por Devendra Banhart para a revista Arthur - que chega a um público mais alargado. Em A Wolf In Sheep's Clothing (Locust, 2006), recupera de forma singular o cancioneiro das art-songs alemãs do Século XIX. De regresso ao Aquário, Foster traz-nos o seu mais recente disco, o lindíssimo This Coming Gladness (Bo'Weavil Recordings, 2008).

Noite Arnauth no CCB

Do espectáculo "Flor de Fado", que Mafalda Arnauth foi apurando em concertos dentro e fora de portas, acaba de nascer o disco com o mesmo nome. É para o apresentar - e para rever o público da sua cidade - que a fadista vai ao CCB, Lisboa, no dia 11 de Outubro.
Além de percorrer grandes momentos do cancioneiro português, "Flor de Fado" inclui novos temas originais. Este concerto é uma oportunidade para os conhecer, mas também para lembrar os maiores sucessos de Arnauth e, sobretudo, para reencontrar a intensidade e força expressiva desta voz que tem encantado os públicos de Portugal e do mundo. Ouvir Mafalda Arnauth é sentir a profundidade emotiva do seu canto, numa redescoberta (ou reinvenção) do fado que recupera a memória de Amália sem hesitar perante a aventura noutros territórios da música, em busca do seu próprio fado.

10 outubro 2008

Super Bock Super Rock do Porto é no Estádio do Bessa

A manga portuense do festival Super Bock Super Rock vai realizar-se no Estádio do Bessa.

Até 1 de Janeiro, os bilhetes custam 35 euros. A partir daí, sobem para 40 euros.

Para já, sabe-se que os Depeche Mode actuam no dia 11 de Julho. A banda regressa a Portugal com um novo álbum em carteira.

09 outubro 2008

Volume - Outubro



Volume

Buraka U.S.A.

No último ano, os jornais e revistas mais credíveis do continente europeu já haviam feito artigos sobre eles, mas agora são os americanos que também começam a despertar para o fenómeno musical português Buraka Som Sistema, que actuaram pela primeira vez em solo americano a semana passada - quinta-feira em Nova Iorque, sexta em São Francisco e sábado em Los Angeles.
Com o título de Break beats and bass from Angola via Lisbon, o New York Times destacou a estreia dos portugueses em solo americano, num artigo onde o kuduro, a linguagem musical que estrutura o som do projecto, é comparado ao "baile funk" brasileiro. Mais efusivo ainda foi o artigo publicado no L.A. Weekly, de Los Angeles, titulando que os Buraka Som Sistema são "the next big thing" e o kuduro "the sound of tomorrow".

O artigo do NYT pode ser lido no seguinte link: Break Beats and Bass From Angola via Lisbon

08 outubro 2008

Casino de Lisboa Recebe De La Soul

Os De La Soul, um DJ Set de Africa Bambaataa, e a passagem de Guru Jazzmatazz são os pontos altíssimos da agenda do Arena Live até ao fim do ano:

Concertos Arena Live 2008

20 Outubro - Mafalda Veiga

27 Outubro - Incógnito + DJ Premier

03 Novembro - Guru Jazzmatazz + DJ Set Moodyman

10 Novembro - David Fonseca

17 Novembro - Hollywood, Mon Amour +DJ Set Africa Bambaataa

24 Novembro - João Pedro Pais

01 Dezembro - De La Soul + Set DJ King Britt

08 Dezembro - Cooligação

15 Dezembro - Rita Redshoes

25 Dezembro - Rui Veloso

31 Dezembro - Xutos & Pontapés

07 outubro 2008

John Illsley Gostava de Reunir Dire Straits

Em declarações à BBC News, o baixista da banda John Illsley revelou ter discutido o assunto com a banda e que Knopfler foi o único a mostrar-se indisponível.

"Acho que estamos em falta com uma digressão, e ainda temos mais um álbum por gravar (...) mas o Knopfler está a fazer música diferente agora", disse.
"Ele está a sair-se incrivelmente bem a solo, tiremos-lhe o chapéu. Está a viver um período muito bom assim", adiantou.

Esta notícia diz-me muito pois sempre assumi o meu gosto pelos Dire Straits. Foi a minha banda favorito na minha adolescência.
Vi-os em Alvalade em Maio 92, e repeti a dose uns meses mais tarde em Faro. Grandes concertos, sendo que o de Alvalade foi mesmo a maior enchente do recinto em concertos.
A parte em Illsley explica que Knopfler está muito bem a solo ajuda a perceber o quão difícil vai ser a reunião. Pessoalmente não acredito que Mark vá na conveersa.
Mas cá no fundo não me importava de ver só mais uma vez a banda ao vivo.

06 outubro 2008

Depeche Mode no Porto em julho de 2009

Os britânicos Depeche Mode vão actuar no Porto, a 11 de Julho de 2009, no festival Super Bock Super Rock. O espectáculo faz parte da digressão mundial que o trio está a preparar para promover o novo álbum, a editar no próximo ano.

O grupo da "electro pop" - autor de êxitos como "Precious" e "Enjoy The Silence" - formou-se em 1980, em Essex, Inglaterra, e teve sucesso quase imediato. Dos vários êxitos da década de 1980, destaque para "Black Celebration" (1986), "Music For The Maces" (1987) e "Violator" (1990).

Em Portugal, os Depeche Mode têm uma legião de fãs desde os primeiros anos de existência. Foi, contudo, com o último álbum de originais "Playing the Angel" (2005) que o conjunto composto por Dave Gahan (vocalista), Martin L. Gore e Andrew Fletcher chegou ao grande público, atingindo o primeiro lugar da tabela de vendas portuguesa.

05 outubro 2008

Buraka

O disco mais esperado do ano já anda por aí arrasar.
Grande edição dos Buraka Som Sistema a confirmar todas as expectativas.

04 outubro 2008

03 outubro 2008

02 outubro 2008

radioheadremix.com

Remixes dos temas mais recentes dos Radiohead para conferir, e votar, em http://radioheadremix.com/

01 outubro 2008

Dia Mundial da Música

O Teatro São Luiz comemora o Dia Mundial da Música com uma Maratona de Percussão. A Direcção Artística é de Pedro Carneiro, que se irá apresentar com os grupos de percussão da Escola Superior de Música de Lisboa e da Academia Nacional Superior de Orquestra. O percussionista norte-americano Steve Schick, um dos maiores vultos da percussão actual, é o convidado especial. Do programa constam obras de compositores como Xenakis ou Cage. A culminar este dia de intensa vivência musical, o público vai assistir a uma leitura de Le Noir de l'Etoile de Grisey, uma obra para seis percussionistas, espalhados pela Sala Principal do São Luiz, que vão interagir com sons de estrelas distantes.

PROGRAMA
JARDIM DE INVERNO
10h00 ás 13h00: Workshops para escolas
14h00 ás 17h00: Workshops para escolas
18h00: Masterclass com Steve Schick
19h00: Latas, Búzios e Ossos com Pedro Carneiro e Steve Schick e os alunos de percussão da ESML e ANSO
20h30: A metáfora luminosa na música para percussão de Xenakis e Grisey
À conversa com Makis Solomos, Professor da Universidades de Montepelier - e com Rui Jorge Agostinho, Director do Observatório Astronómico de Lisboa.

SALA PRINCIPAL
21H30: A música para percussão de Iannis Xenakis com Pedro Carneiro, Steve Schick e os alunos de percussão da ESML e ANSO
22h45: Concerto para percussão e sons das estrelas em directo com Pedro Carneiro, Steve Schick e os alunos de percussão da ESML e ANSO