29 novembro 2008

Mestre do Fado no Atlântico

Hoje é noite de fado no Pavilhão Atlântico com Carlos do Carmo a dar voz às canções que Lisboa quer ouvir.
Fica o link da entrevista do fadisto ao Disco Digital:
Carlos do Carmo entrevistado

Livro de fotografias de Rita Carmo


Este mês, por apenas mais 4,90 euros, vai poder levar para casa um verdadeiro álbum de fotografias. Portugal XXI - Imagens de Sons Portugueses reúne os retratos que Rita Carmo, fotógrafa da BLITZ e uma das mais conceituadas repórteres de imagem de Portugal, tirou a artistas maiores como Sérgio Godinho, Paulo Furtado, Blasted Mechanism ou Mariza. Você nunca os viu assim.

in blitz

28 novembro 2008

Melhores de 2008 - Blitz

Melhores Álbuns Internacionais

50. Dawn Landes - Fireproof
49. Spiritualized - Songs In A & E
48. Cass McCombs - Dropping The Writ
47. The Ting Tings - We Started Nothing - na foto
46. Band of Horses - Cease To Begin
45. No Kids - Come Into My House
44. Scarlett Johansson - Anywhere I Lay My Head
43. The Streets - Everything Is Borrowed
42. Shearwater - Rook
41. Sam Sparro - Sam Sparro
40. Fleet Foxes - Fleet Foxes

39. Cursed III - Architect of Troubled Sleep
38. Carmen Souza - Verdade
37. Woven Hand - Ten Stones
36. Leila - Blood Looms and Blooms
35. Ladytron - Velocifero
34. Extra Golden - Hera Ma Nono
33. Tindersticks - The Hungry Saw
32. Beck - Modern Guilt
31. Al Green - Lay It Down
30. Morgan Geist - Double Night Time

29. Gang Gang Dance - Saint Dymphna
28. Why? - Alopecia
27. Quiet Village - Silent Movie
26. The Bug - London Zoo
25. dEUS - Vantage Point
24. REM - Accelerate
23. Pyramids - Pyramids
22. Fuck Buttons - Street Horrrsing
21. Beach House - Devotion

20. The Hold Steady - Stay Positive
19. Cat Power - Jukebox
18. Calexico - Carried To Dust
17. Lil Wayne - Tha Carter III
16. The Last Shadow Puppets - The Age of the Understatement
15. Nick Cave and the Bad Seeds - Dig!!! Lazarus!!! Dig!!! [na foto]

14. Hot Chip - Made In The Dark
13. Black Angels - Directions To See A Ghost
12. Santogold - Santogold
11. Benga - Diary of An Afro Warrior

10. Erykah Badu - New Amerykah: Part One (4th World War)
9. Bon Iver - For Emma, Forever Ago
8. American Music Club - The Golden Age
7. Vampire Weekend - Vampire Weekend
6. MGMT - Oracular Spectacular
5. The Kills - Midnight Boom

4. TV On The Radio - Dear Science
3. Silver Jews - Lookout Mountain, Lookout Sea
2. Hercules and Love Affair - Hercules and Love Affair

1. Portishead - Third

Blitz - Dezembro

27 novembro 2008

Graciano Saga II

Pensava eu que estava a divulgar algo de meio escondido na música ligeira portuguesa quando publiquei há poucos dias a canção de Graciano Saga mas , afinal, estava enganado.
O Bruno Nogueira hoje dedicou o seu Tubo de Ensaio (sou fã) na TSF, a esta bela cantiga do Graciano na rúbrica semanal Músicas improváveis.
O Saga está na moda!

26 novembro 2008

Hoje

Cesária Évora
Lisboa - Cinema São Jorge 22:00 30-35€

Spectrum + Sonic Boom
Lisboa - Museu do Chiado 22:00 10€

Melhores do Ano para a Mojo

1. Fleet Foxes - Fleet Foxes
2. The Last Shadow Puppets - The Age Of The Understatement
3. Paul Weller - 22 Dreams
4. Bon Iver - For Emma, Forever Ago [2007]
5. Nick Cave & The Bad Seeds - Dig, Lazarus, Dig!!!
6. The Hold Steady - Stay Positive
7. Glasvegas - Glasvegas
8. The Week That Was - The Week That Was
9. The Bug - London Zoo
10. Neil Diamond - Home Before Dark

11. Portishead - Third
12. Don Cavalli - Cryland
13. Drive-By Truckers - Brighter Than Creation's Dark
14. British Sea Power - Do You Like Rock Music?
15. Eli "Paperboy" Reed & The True Loves - Roll With You
16. Erykah Badu - New Amerykah Part One (4th World War)
17. Sigur Rós - Með suð í eyrum við spilum endalaust
18. Pete Molinari - A Virtual Landslide
19. Beck - Modern Guilt
20. TV on the Radio - Dear Science

21. Amadou & Mariam - Welcome to Mali
22. Mercury Rev - Snowflake Midnight
23. Elbow - The Seldom Seen Kid
24. Fucked Up - The Chemistry of Common Life
25. Randy Newman - Harps and Angels
26. Peter Broderick - Home
27. M83 - Saturdays=Youth
28. Neon Neon - Stainless Style
29. Yeasayer - All Hour Cymbals [2007]
30. The Night Marchers - See You in Magic

31. Duffy - Rockferry
32. Seasick Steve - I Started Out With Nothin' and I Still Got Most of It Left
33. Kasai Allstars - In the 7th Moon, the Chief Turned Into a Swimming Fish and Ate the Head of His Enemy by Magic
34. Fuck Buttons - Street Horrrsing
35. Our Broken Garden - When Your Blackening Shows
36. MGMT - Oracular Spectacular
37. Gavin Bryars & Philip Jeck & Alter Ego - The Sinking of the Titanic [2007]
38. Goldfrapp - Seventh Tree
39. Abe Vigoda - Skeleton
40. The Black Keys - Attack & Release

41. The Fall - Imperial Wax Solvent
42. Juana Molina - Un Día
43. Aimee Mann - @#%&*! Smilers
44. Goldmund - The Malady Of Elegance
45. Metallica - Death Magnetic
46. James Hunter - The Hard Way
47. Flying Lotus - Los Angeles
48. AC/DC - Black Ice
49. The Neil Cowley Trio - Loud... Louder... Stop
50. Oasis - Dig Out Your Soul

25 novembro 2008

UPA

Para quem leva o ano a procurar novas músicas, a ler sobre música, a comprar discos, a pesquisar sobre música já tem uma boa ideia para oferecer no natal aos amigos e familiares. Por uma boa causa descubram o disco UPA.

24 novembro 2008

Natacha Atlas no Estoril em Dezembro

Natacha Atlas, actua dia 7 de Dezembro no Auditório do Centro de Congressos do Estoril, onde apresentará o novo álbum, “Ana Hina” editado no início do ano.
A entrada custa 28 eur.

Graciano Saga

Há alturas na vida em que uma pessoa tem que escolher. Quando se tem algumas paixões na vida no sentido de a colorir mais costuma recorrer-se aos chamados passatempos. Mas quando esses hobbies se tornam tão sérios ao ponto de fundarmos um blog dedicado à causa é porque a nossa vida só faz sentido quando a vivemos em pleno e com muito tempo dedicado às nossas causas. No meu caso é conhecido o gosto que tenho pela música em geral, em diferentes áreas musicais, e a paixão que tenho pelo clube de futebol do bairro onde vivo.
Isto faz-me ter de fazer duras opções ao longo da vida quando se marcam para a mesma data ,e a mesma hora acontecimentos que envolvam as duas partes.
Na minha vida é famosa a noite em que tive que optar entre um jogo com o FC Porto na Luz e um concerto dos Nirvana. Fui à Luz e o Benfica ganhou. Mas o Kurt não aguentou a desfeita e teve o fim trágico que se sabe.
Ontem havia um concerto muito interessante marcado para lisboa, Lightning Bolt, mas a vontade de ir a Coimbra apoiar o clube do coração foi maior.
E é nestas viagens que deixamos de lado o nosso lado mais megalómano musical para nos aproximarmos das raízes do povo. E assim chegamos ao autor que dá nome a este texto. O Graciano Saga tem esta música que ontem foi entoada pela A1 e pela cidade de Coimbra com alegria. Hoje há espaço ao chamado "pimba" aqui no tasco:
Graciano Saga

22 novembro 2008

Esperemos Que Sim

O realizador Martin Scorsese quer dirigir um filme sobre os Beatles, focado nos últimos dias de vida da banda.

A ideia surgiu após ter visto uma entrevista com George Harrison, de 1967. Na conversa, o músico fala sobre política, drogas e álcool.

O também realizador David Lambert disse à BBC que se trata de um depoimento «muito polémico» mas acrescentou que as palavras «revelam consciência». Lambert crê que Scorsese tem um filme de 90 minutos planeado.

21 novembro 2008

O Universo FlorCaveira

Não resisto a reproduzir o artigo que vem hoje no Ípsilon, suplemento do Público, e que conta a história à volta do novo "hype" português centralizado na editora FlorCaveira e da música pop cantada em português.
Um belo trabalho de João Bonifácio e Mário Lopes para ler aqui:

Está qualquer coisa a acontecer aqui e ainda não sabemos bem o que é.
Podíamos dizer: de repente, graças aos discos de Tiago Guillul, "IV", e dos Pontos Negros, "Magnífico Material Inútil", a pop em português voltou a valer a pena. Tiago, além de fazer o seu álbum, ainda produziu os Pontos - que curiosidade engraçada, este é um bom momento, que golpe de sorte, amanhã isto acabou, foi bom, foi bom...

Mas não é isso.
Tentemos de novo: de repente, graças a Tiago Guillul e aos Pontos Negros voltámos a gostar de ouvir a nossa língua. De repente cantar em português deixou de ser um assunto. E de repente o português parece ser a língua natural de uma canção pop. Isto graças a Tiago Guillul e aos Pontos Negros.
Mas, esperem, também não é nada disto.

Os factos dizem: depois de Guillul e dos Pontos vieram discos de b fachada ("Viola Braguesa"), agora o EP de Samuel Úria, "Em Bruto", e a grande estreia de João Coração ("Número 1. Sessão de Cezimbra"). Todos na FlorCaveira, a editora de Guillul, todos em português. A estes podemos acrescentar "Uma Vida a Direito", discos de estreia dos Feromona que, apesar de editado na Catadupa, pode ser incluído no movimento.

E ainda falta a estreia de Os Golpes e de Os Quais, bandas da AmorFúria, editora/agenciadora que tem organizado os concertos desta gente toda - concertos, ainda que em salas pequenas, sempre cheios, com miúdos e semi-graúdos (entre os 18 e os trinta e poucos) a cantarem de cor as letras e em estado de euforia.
E em cada um destes discos - ou nas canções que lhes conhecemos dos concertos ou do Myspace - torna-se óbvio um dado fundamental. Estes tipos não escrevem canções em português como é normal. São cultos e têm com a língua uma relação lúdica - escrevem de forma "esperta" mas não explicitamente literária, apesar de isso apenas ser possível em gente lida.

A hipótese é esta: estamos a viver um daqueles momentos a que se retorna vinte ou trinta anos depois. Arranjando as palavras de outra forma: já não havia pop tão descaradamente à vontade com ser portuguesa desde os idos de G.N.R., já não havia pop tão descaradamente centrada na nossa bandeira desde os Heróis do Mar, desde Variações que não havia pop tão orgulhosa de dividir os pés entre Nova Iorque e o subúrbio.
Quem é esta gente que entra de rompante pela nossa música adentro (mesmo que alguns já componham há muito), e o que os une? E o que é que há no português deles que os autonomiza das anteriores bandas nacionais e os torna especiais?

Qualquer resposta passa pela FlorCaveira e pela AmorFúria, as duas estruturas fundamentais, geridas por Tiago Guillul e Manuel Fúria (membro d'Os Golpes). E passa pelos trovadores de serviço, que esta semana lançam os seus discos, Samuel Fúria e João Coração.

O encontro
2007 foi um ano bom e um ano mau para Manuel Fúria. Por um lado teve uma depressão, que o levou a deixar o curso de Cinema em que se tinha inscrito após abandonar Filosofia ao fim de dois anos. Por outro "foi aí que a cena musical começou a bombar". Há um ano, Manuel ainda não era Fúria (nome artístico), mas sim Barbosa de Matos. E um dia encontrou na net Os Lacraus.
"Estava a andar pelo Myspace e ouvi Os Lacraus. Pensei: 'Como é que isto não é considerado a melhor banda de agora?' Fiquei fascinado". Manuel era doido pelos Lacraus.

Os Lacraus, entretanto, tinham encerrado actividade. Eram a banda de Tiago Cavaco, conhecido por Tiago Guillul. A história de Cavaco é hoje conhecida pelo lado "exótico" de ser padre baptista e punk-rocker. Cavaco faz música há meia vida. Mas só a 17 de Junho é que um disco seu, "IV", chegou às lojas. Foi o culminar de um processo de legitimação da "persona" de Cavaco que passou - em parte - pela blogosfera: o seu blogue (vozdodeserto.blogspot.com) faz parte da primeira leva de diários online, e cedo se destacou pelo seu exímio talento em escrever textos de quatro linhas que facilmente oscilavam entre o humor corrosivo, a inquirição metafísica (para não limitar o seu universo à religião "strictu sensu") e a pura mundanidade.

"IV" é, como o nome indica, o quarto disco a solo de Guillul, senhor de uma produção habitualmente profícua. Os anteriores tinham passado despercebidos aos melómanos (quanto mais à população em geral), mas desta vez houve uma diferença: Tiago foi aconselhado.
É aí que entra João Coração: "Quando o Tiago fez o 'IV', queria fazer logo a seguir o 'V', mas convenci-o a não gravar mais nada e mandar o disco para as lojas". Com o disco nas lojas a imprensa foi atrás dele e seguiu deliciada a história do pregador punk. Como Guillul produzia na altura os Pontos Negros (banda que descobrira), estes beneficiaram do hype e o momento instalou-se.

Mas como chegou João Coração a Guillul e porque raio só então é que a imprensa apanhou Guillul?
Há que voltar atrás. Fúria descobrira os Lacraus. E Cavaco foi parar à página do Myspace dos 400 Golpes, a banda que Fúria tinha entretanto montado.
Fúria: "O grande passo deu-se quando o Tiago, assinando pelos Lacraus, escreveu na nossa página 'Me gusta los 400 Golpes'". Fúria sentiu-se legitimado, apoiado. Andava a fazer bandas desde os 14 anos, sempre a debater-se com um problema: "Nessa altura já queria cantar só em português", o que não era bem recebido pelos restantes músicos. Agora tinha companhia.
"Marquei um almoço com o Tiago e com o Bernardo Barata [dos Feromona]". Manuel Fúria ia convidá-los para um projecto seu, o Portugal Mix, "uma festa no Musicbox, que nunca chegou a realizar-se, centrada na questão da língua portuguesa na pop - queria juntar por um lado o Vítor Rua, o Miguel Esteves Cardoso, o João Peste, por outro queria pegar na FlorCaveira, na Catadupa [editora dos Feromona] e na AmorFúria". A AmorFúria, note-se, ainda não existia. Não foi a única vez que Manuel pôs o carro à frente dos bois: quando convidou os Smix Smox Smux, trio de Braga, para as fileiras da editora, esta ainda não tinha oficialmente nascido.
Manuel é um tipo de projectos. Chegou ao almoço com a proposta de fazer "um disco e um livro" a partir do Portugal Mix. O projecto nunca chegou a ir para a frente, mas ficou a amizade. "Quando começámos a falar sobre Deus e fé, foi aí que se deu o clique. Percebemos que havia algo mais forte que a música a unir-nos".

É que Fúria estudou no Colégio de Jesuítas de Santo Tirso. É daí que a malta d'Os Golpes, a sua banda (segunda encarnação dos 400 Golpes), se conhece.
João Coração tinha dado com Manuel Fúria no curso de cinema. Um dia respondeu ao apelo do amigo: "O Manuel teve a ideia de fazer a AmorFúria. Convocou uma reunião e disse: 'Vamos fazer uma companhia de discos e filmes'. Mais tarde é que se tornou agência - e entretanto temos estado a fazer os nossos próprios vídeos".

O cinema uniu Coração e Fúria, o Myspace juntou o Amor à Caveira. E Coração trouxe João Santos, que durante anos trabalhara na indie Ananana e agora tem a sua distribuidora, a Mbari. Santos terá percebido o potencial que havia por trás não só da música como das ideias: e mais que pôr os discos nas lojas, pô-los na imprensa. E a imprensa gosta de uma boa história.

A ideologia
Rapidamente a AmorFúria tornou-se a plataforma de organização de concertos da malta da FlorCaveira. A rir-se, Fúria diz que Guillul e amigos eram "gajos escondidos na toca e ressabiados por não serem reconhecidos".
Há uma diferença fundamental entre os membros originais das duas editoras: o pessoal da FlorCaveira é gente dos subúrbios, os rapazes da AmorFúria são meninos burgueses.
Enquanto Manuel Fúria passou os últimos anos a escrever manifestos sobre "o sonho" de "devolver ao Mundo a grandeza de Portugal", Tiago, Samuel Úria e restantes moços passaram uma vida a dar concertos - e Tiago vem do hardcore. Repesquemos a entrevista acima citada, em que Tiago mencionava um momento fundamental do seu crescimento: "O dia em que o Rodrigo [vocalista dos X-Acto, banda hardcore dos anos 90] leva uma crista espetada para o liceu, tinha o liceu todo a olhar para ele num misto de escárnio e adoração. Ele era um tipo cool do polivalente. Tornámo-nos amigos, até lhe dei umas lições de baixo antes de ele estar nos X-Acto, ensinei-lhe músicas dos Resistência".

A ideia de "tipo cool do polivalente" com crista, o fascínio de Cavaco por esta simples mistura em que os Resistência encontram o hardcore demonstra que esta é uma geração que já cresce dentro da cultura popular - capaz de flirtar com as mais variadas referências e a ter de conviver com a diferença à força.

Úria, tal como Cavaco, é Baptista. E tal como Fúria, vem de fora da cidade (Tondela). Não se cresce Baptista sem que isso tenha um preço, em particular num país que ainda não sabe integrar a diferença, como diz Cavaco.

E isso é mais um elemento que as gentes destas duas editoras conhece bem: nenhum cresceu sossegadinho num único sítio e num único estrato social. Fúria e Coração podem vir da classe média alta, mas sabem o que é não estar integrado: Coração andou a saltar de terra em terra e de curso em curso, Fúria falou ao Ípsilon de ser filho de lisboetas que foi cedo para Santo Tirso e de lá sentir-se lisboeta e cá sentir-se nortenho.

Não é preciso tirar um curso de psicanálise por correspondência para perceber que isso está na raiz da vontade de transformação que todos têm - e que se vê na facilidade com que criam ícones, se tornam imagens. Digam isto a Cavaco e a resposta é simples: "Mas a pop não é isso? Se um tipo não pode fazer isso na pop, onde é que pode?"
(Pormenor: seja porque razão for, a malta da FlorCaveira sempre teve a mania de fazer concertos em conjunto, o que agora aumenta com a presença dos moços da AmorFúria. No entanto, toda essa festa em palco, por vezes, soa a anos 60. Não por acaso Manuel Fúria adiz que o ícone comum a todos é Bob Dylan.)

Há outra coisa que os une: todos são literatos - a ideia do português como sendo natural é muito bonita, mas aquelas letras são trabalhadas até ao limite da simplicidade. Em casa de Fúria há livros por todo o lado, cada vez que encontrámos João Coração ele trazia um livro na mão, acerca de Cavaco nem é preciso dizer mais nada e quanto a Úria basta citar "Desliga a TV", do EP "Samuel Úria & As Velhas Glórias": "Saramago é bom mas não traz a salvação/ quem tem medo do Lobo Antunes devia ter temor a Deus".

Durante anos os Baptistas tinham cantado para si e para os amigos de liceu, enquanto casavam, tinham filhos e trabalhavam. Durante anos os burgueses tinham desistido de cursos e imaginado uma vida criativa que não se materializava. Até que a net os uniu. O que é engraçado é que no momento em que a net globaliza o mundo, eles, em vez de tentarem à força falar de assuntos universais, olham para o seu pequeno mundo, olham-no em português e são legitimados por isso.
Úria: "A internet traz alguma legitimação. Em vez de círculos conspiratórios de duas ou três pessoas que se reúnem no café, há pessoas a puxar umas pelas outras em vários sítios do país". E acaba: "andamos ali a apoiar-nos uns aos outros e a exortar-nos uns aos outros".
A AmorFúria começa inspirada na FlorCaveira e ajuda os homens da editora de Cavaco a arranjar concertos com regularidade, mas o mais importante é essa questão de exortação mútua: de repente esta gente sente-se legitimada.

E essa legitimação já extravasou: Úria ainda não tem um CD nas lojas (mesmo já tendo gravado EPs) mas já um pequeno furor à volta dele. Desde o concerto dos Pontos Negros no MusicBox, que Os Golpes (abriram essa noite) ficaram como referência de uma data de miúdos (e graúdos). O fenómeno fez chamar a atenção para bandas amigas mas que não pertencem ao catálogo das duas editoras, como os Feromona. E ontem, quinta-feira, b fachada foi ao Portugal no Coração - o que significa que este pequeno fenómeno não é pensado para ser uma brincadeira de culto.
Se eles não tiverem essa ambição, têm pelo menos o sonho. Graças a eles voltou a valer a pena ouvir pop em português. Resta saber se entretanto o típico moço português de vinte anos perdeu a vergonha à sua língua.

20 novembro 2008

Hot Chip e Robert Wyatt juntos em EP gratuito

Do Disco Digital: Os Hot Chip e Robert Wyatt juntaram-se para gravar três canções da banda que serão disponibilizadas num EP para download gratuito a oferecer no site dos primeiros.

«Made In The Dark», «Whistle For Will» e «We`re Looking For A Lot Of Love» juntam-se no alinhamento a uma remistura de «One Pure Thought», assinada por Geese. O encontro entre o grupo e o artista deu-se após a gravação da leitura dos Hot Chip para «This Summer Night», de Robert Wyatt.

19 novembro 2008

Boss Hog Reúnem-se

Os norte-americanos Boss Hog estão de regresso para um concerto no Bowery Ballroom, em Nova Iorque, a 17 de Dezembro.
Esta será a primeira aparição da banda após um hiato de oito anos.
O grupo apresentar-se-á com o alinhamento original formado por Cristina Martinez, Jon Spencer, Hollis Queens, Jens Jurgensen e Mark Boyce.

18 novembro 2008

O Novo do Mestre Lee Scratch Perry



1 Having A Party 4:41
2 Heavy Voodoo (featuring Keith Richards) 5:03
3 Saint Selassie 4:19
4 Scratch Is Alive 4:14
5 Jealousy 5:18
6 Yee Ha Ha Ha 4:32
7 The Game Black 4:36
8 Headz Gonna Roll (featuring George Clinton) 4:41
9 Rolling Thunder 4:41
10 Rastafari Live 5:08
11 Once There's A Will There's A Way (featuring Keith Richards) 5:33
12 Sinful Fuckers 4:10
13 The Seven Wishes of Lee "Scratch" Perry 5:13

para conferir aqui

17 novembro 2008

Tinderstick em Fevereiro no Coliseu

Tinderstick de volta.
Com a formação reduzida a três elementos, editaram em Abril deste ano o sétimo álbum de originais, “The Hungry Saw”, que vêm apresentar a Portugal, dia 13 de Fevereiro no Coliseu de Lisboa.

16 novembro 2008

Reggae ao Domingo


Disco de Cutty Ranks composto por dois CD`s intitulado “Limb By Limb” e é mais um documento histórico pertencente às séries “Reggae Anthology” da label 17 North Parade/Vp Records, que visam explorar as três últimas décadas da música reggae gravada na Jamaica.

Além de capturarem as melhores músicas do artista, estas séries trazem consigo um excelente “booklet” composto por fotografias memoráveis, reviews, biografias e uma compreensiva tracklist.

aqui: Cutty Ranks

15 novembro 2008

Um Grande Disco



de 2008: "Motion to Rejoin" dos BRIGHTBLACK MORNING LIGHT.
Cheguei lá via Uncut que lhe deu 4/5 e deixo aqui o link para que possam ouvir:
Motion to Rejoin

14 novembro 2008

Giant Sand são o primeiro nome para o Gente Sentada

Os Giant Sand são a primeira banda confirmada para o Festival Gente Sentada, que mais uma vez vai ter lugar no Cine-Teatro António Lamoso, em Santa Maria da Feira, revela a Antena 3.
O festival dedicado às sonoridades acústicas decorre nos dias 13 e 14 de Fevereiro. Também no primeiro dia, actua o norte-americano Chuck Prophet, que tem feito primeiras partes para os Giant Sand.

Os bilhetes são colocados à venda na próxima semana. Mais nomes serão anunciados em breve.

disco digital

Aluminum Babe Hoje no Lounge


É uma boa sugestão para esta noite de sexta feira.
"Os Aluminum Babe apresentaram-se na segunda investida da noite Cujo, em Setembro de 2007. O convite para o regresso justifica-se pelas óptimas impressões deixadas por esse concerto para uns happy few, mas também porque a banda surge agora com formação renovada e um novo disco para apresentar. Com produção de Ian Love (dos Rival Schools) e Gerard Garone (Radio 4), «A Movie Like That» oferece mais garage-rock-disco de Nova Iorque, do mundo, clássico, moderno, liberto, aventureiro, directo-ao-assunto. E depois de extensas e suadas digressões (e palcos partilhados com os Stereo Total e X-Wife), que melhor oportunidade para reencontrar uma banda no pico da sua forma?"

Aluminium Babe

No Lounge: 23h30, entrada livre
+ dj: mário valente

Cut Copy no Lux

A passagem dos Cut Copy por Lisboa aqui relatada pelo amigo Davide Pinheiro:
(Nova) ordem para matar
Pessoalmente preferi a festa de verão montada no palco secundário do SW. Ontem houve festa, claro, mas não me entendo com as limitações do espaço Lux para concertos.

13 novembro 2008

Mogwai na Aula Magna

Os Mogwai actuam dia 5 de Fevereiro, na Aula Magna, onde nos vão fazer sonhar com doses massivas de Post-Rock. A banda escocesa vem apresentar o novo e, mais uma vez, aclamado álbum, “The Hawk Is Howling”.

5 DE FEVEREIRO (AULA MAGNA)

ANFITEATRO * 22 EUROS
DOUTORAL * 30 EUROS

Noite Cut Copy no Lux

Depois da gloriosa passagem pelo Sudoeste, os Cut Copy vão estrear-se em Lisboa. O concerto é hoje no Lux, pelas 22h30, e em apresentação vai estar o álbum «In Ghost Colours».
Os bilhetes já se encontram esgotados. Pela noite dentro, haverá sessão de DJ com os Boys Noize.
Amanhã, os Cut Copy tocam na Casa da Música, no Porto.

Keane no Coliseu dos Recreios: Yes, They Keane


(Foto: Rita Carmo - blitz)

Sala completamente lotada para receber em apoteose os ingleses Keane em fim de digressão, e com disco novo acabado de editar. Tudo como se esperava, noite perfeita para fãs e músicos num concerto muito celebrado tanto na plateia como no palco.

Ia adiantado o concerto quando o vocalista Tom Chaplin introduziu o tema-título do novo disco «Perfect Symmetry» nos fez lembrar o famoso lema da campanha eleitoral do novo presidente americano, que inspirou o título desta crónica, ao contar que era com emoção que ia cantar uma canção baseada na esperança. O público respondeu em histeria colectiva e mostrou como em um mês já assimilou os novos temas que foram visivelmente aprovados.

Foi a quinta vez que os Keane vieram a Portugal, e foi o regresso três anos depois ao Coliseu. Agora com três discos na bagagem o alinhamento do concerto é um autêntico desfilar de êxitos facilmente reconhecidos até para quem não segue com atenção a banda. Canções como «Somewhere Only We Know», «This Is The Last Time», «Bend And Break»,ou «Crystal Ball» levam o coliseu à loucura colectiva. A relação entre banda e fãs é de uma harmonia total que leva Tom Chaplin a agradecer muitas vezes a quente recepção, e o excelente ambiente que tiveram na última noite desta digressão.

Para o público que esgotou a sala a noite foi perfeita, informação útil também para as dezenas de fãs que ficaram à porta sem conseguirem bilhete e que agora andam a ler as diversas reportagens. Para os menos identificados com os Keane dizemos que usam uma fórmula simples, e eficaz. Canções pop de fácil assimilação, e apontadas às playlists das RFM deste mundo, que denunciam tudo o que os elementos da banda consumiram nos anos 80. Ou seja, falamos dos universos mais marcantes dos U2, David Bowie, e até Peter Gabriel, ajudados por uma estética visual reproduzida na gigante tela que fazia de cenário que simulava por vezes os famosos ecrans de tv cheios de riscas às cores dos jogos de spectrum a serem carregados. A seu favor está o facto de a banda dar tudo em palco, da química com os admiradores ser total, e de justificaram toda aquela euforia que os rodeia em palco.

Hoje em dia já não há assim tantas bandas a esgotarem salas com esta pop tão certinha. Os Keane conseguem, e isso já não é pouco. Arrastam um público certinho, muito clean denunciado pelos vendedores à porta do Coliseu que se queixavam no fim de não terem vendido uma única cerveja, e denunciados também pelo espaço do bar quase sempre vazio, coisa estranha no Coliseu. Só que muito deste público clean ainda não está 100% cool porque se esqueceram que não podiam estacionar as suas estimadas viaturas nos passeios da Avenida da Liberdade, e a Polícia Municipal resolveu estragar a noite a muitos fãs que faziam vistosas filas para pagar multas, e desbloquear os seus carros. Nada que um disco dos Keane a seguir não faça esquecer.

Primeira parte de Rita Redshoes com apresentação de 7 temas do seu disco de estreia. Presença confiante, e convincente de uma das revelações do ano da nossa música.

alinhamento keane

The Lovers Are Losing
Better Than This
Everybody's Changing
Nothing In My Way
Again And Again
You Don't See Me
This Is The Last Time
Spiralling
Bend And Break
Try Again
A Bad Dream
We Might As Well Be Strangers
You Haven't Told Me Anything
Bad Dream
Perfect Symmetry
Somewhere Only We Know
Crystal Ball

encore

Is It Any Wonder
Bedshaped


in Disco Digital

12 novembro 2008

Sigur Rós no Campo Pequeno: E tocaram incessantemente…

A companheira Andreia Catarino do Disco Digital esteve no Campo Pequeno na última noite e conta como foi a passagem dos islandeses por Lisboa. Para ler aqui:
E tocaram incessantemente…

11 novembro 2008

Sigur Rós

Hoje os islandeses Sigur Rós estão de regresso a Lisboa para um concerto no Campo Pequeno.
Penso que os bilhetes estão quase todos vendidos e que haverá casa cheia, e será com certeza um bom concerto.
A minha questão com os Sigur Rós é que já não consigo ouvir com o mesmo entusiasmo um disco deles desde ... 2001!
O facto de eu ter ido ver a estreia dos Sigur Rós em Lisboa, na sala grande do CCB, marcou a minha relação com a banda. Foi ir ao cume logo à primeira vista, e ficou a sensação que a partir dali ia ser difícil igualar a magia daquela noite de Abril de 2001.
Mais tarde veio a confirmação. Vi-os no Coliseu e já não foi a mesma coisa. Foi bom, sim, mas longe da maravilha emocional que tinha assistido em Belém.
Acho que o meu sub consciente passou a pedir que não os voltasse a ver para não apagar mais a memória de 2001. Hoje não vou ao Campo Pequeno, prefiro recordar a bela noite de 2001. Brevemente até posso partilhar com os leitores a gravação em dois cd's desse concerto.

ccb, lisbon, portugal (9th apr 2001)

setlist

nýja lagið
untitled 3
untitled 8 / svahvÁt
von
death song
e-bow
olsen olsen
hafssól
(encore)
svefn-g-englar
pop song


georg's tour diary
what a beautiful city. the weather was unbelievable it was so warm. we met this nice girl that took us on a guided tour around the city. jónsi bought a stradivarius violin, or a copy to be more exact. i don't really no much about politics but i found it a bit odd that everybody kept telling me how poor this country is, and the houses looked run down, but everyone seemed to be driving new cars. anyway the city was beautiful.

the venue looked really nice and the sound equipment was amazing. the concert was good i think but halfway thru it started go a little strange. everything got a lot better in the last part and the audience seemed really into it. after the concert a newspaper in portugal gave us two awards for, album of the year and music video of the year. so it was a good day and we were happy.

10 novembro 2008

Asian Dub Foundation em Lisboa

Avança o site da Blitz:
Os ingleses Asian Dub Foundation regressam a Portugal já no próximo mês para um concerto no Santiago Alquimista em Lisboa.
O concerto está marcado para o dia 16 de Dezembro e promete juntar as sonoridades dubstep, reggae, jungle e hip-hop a temas como a defesa dos direitos humanos e a luta contra o racismo.

A actuação inserida na digressão de apresentação do novo trabalho Punkara tem bilhetes à venda por 25 euros.

08 novembro 2008

Fat Freddys Drop na Quinta dos Lombos - Reggae Sofisticado

Casa cheia no espaço que já começa a ter aura de receber as maiores referências vivas das raízes do reggae. Por aí ali já passaram Junior Murvin, U-Roy, Max Romeo todos figuras dos famosos cartazes dos eventos Winter Jam que levaram o melhor da Jamaica a Carcavelos. Ontem à noite tivemos a prova que o público afecto aos aromas musicais jamaicanos está crescido e aberto a projectos derivados do reggae com é o caso dos neozelandeses Fat Freddys Drop.

O disco «Based On A True Story» foi uma das mais saudadas aparições nos últimos tempos, tanto por crítica como público, e por isso não foi de estranhar a grande adesão que teve este regresso da banda a Portugal. Tocaram perto de duas horas desfilando a sua classe através da forte secção de sopros e do charme do vocalista Joe Dukie.

Não é uma noite de grande agitação como sempre acontece com o reggae mais clássico, é antes uma viagem instrumental e ambiental com passagens pelo dub mais escorregadio, o jazz menos improvisado, sempre guiada por um baixo que dá as coordenadas e os andamentos que a banda pretende. O universo Fat Freddys Drop é feito de canções longas, corridas com altos e baixos, que podem começar suaves acelerando a meio as batidas empolgando a plateia, para terminar em grande estilo com calma.

A isto os corpos respondem com balanços de ancas, e batidas de pés que denunciam a hipnose colectiva naquela música tão absorvente. Poucas são as vezes que o ritmo aumenta e se levantam as mãos do ar em coros plurais. Aqui vence a batida repetida e hipnótica que nos deixa a levitar a alma. É o reggae sofisticado vindo do sul do Pacífico.

07 novembro 2008

Fat Freddys Drop Hoje em Carcavelos



Hoje à noite, no Pavilhão dos Lombos em Carcavelos, mais do que a um concerto de Fat Freddys Drop, vamos assistir a uma grande festa de Reggae, Dub e Ska, com a banda neo-zelandesa a convidar os portugueses Stepacide e Ras Fernando Selecta.

Morreu a lenda do reggae Byron Lee

Notícia triste.
Morreu a lenda do reggae Byron Lee. Tinha 73 anos e foi vítima de cancro.
Lee formou os Dragonaires em 1957 e manteve-se com a banda durante as décadas de 60 e 70. Em 1962, participou no filme «Dr. No», de 007.

Lee também se dedicou aos negócios tendo criado a Lee Enterprises, onde editou discos de James Brown e Al Green, entre outros. Em 1968, comprou os West Indies Records, que renomeou de Dynamic Studios, onde gravaram nomes como Rolling Stones, David Bowie, Paul Simon e Bob Marley.

Na hora da despedida, o primeiro-ministro jamaicano Bruce Golding disse que o país tinha perdido «um dos grandes pioneiros».
in disco digital

06 novembro 2008

Barack Obama Celebrado

A amiga Liz Pereira faz um apanhado das reacções das figuras da música em relação ao novo Presidente dos USA. A ler na Blitz:

A vitória de Barack Obama nas eleições presidenciais norte-americanas deixou o mundo da música ao rubro.

A maioria dos artistas que, ao longo dos últimos meses, mostraram o seu apoio ao candidato democrata já veio a público dar os parabéns a Obama e partilhar os seus sentimentos de alívio e esperança.

Num concerto na Califórnia, Madonna dirigiu-se ao público nestes termos: "Vocês estão tão contentes como eu? Palmas para Obama! Hoje é o melhor dia da minha vida", exclamando, considerando que ontem começou uma nova era mundial.

Para o baixista dos Strokes, Nikolai Fraiture, a vitória de Obama compara-se a "ser libertado da prisão".

"Acompanhei as eleições em casa com a minha mulher, a Regina Spektor e a sua prima Anna. Não tenho televisor por isso estávamos sempre de volta do computador, enquanto jantávamos", contou o Stroke ao NME.

Nikolai Fraiture percebeu que Obama ganhara quando começou a ouvir os festejos na rua do bairro onde vive, em Nova Iorque. "Estava toda a gente a filmar as reacções uns dos outros, porque parecia que tínhamos saído da prisão, oito anos depois de lá entrarmos".

O baixista comparou ainda o discurso de vitória de Obama, que viu num bar, a um discurso de John F. Kennedy. "Só espero que os próximos quatro anos não pareçam a inevitável ressaca", acrescenta.

Bandas como os We Are Scientists e Death Cab For Cutie também se mostraram entusiasmadas com o resultado; os primeiros disseram que a vitória de Obama era "como o Natal para adultos" e Chris Walla, dos segundos, acredita que o novo Presidente dos Estados Unidos é "um revolucionário".

Em Inglaterra, o rapper Dizzee Rascal afirmou, jocosamente, que agora já se pode candidatar a Primeiro-ministro, enquanto Mark Ronson, que pediu cidadania americana só para poder votar nestas eleições, resumiu desta forma o sentimento colectivo: "Parecia que o mundo inteiro tinha ganho o Super Bowl".

Quanto a Bruce Springsteen, um dos mais empenhados defensores de Barack Obama, poderá lançar um novo álbum em Janeiro de 2009, altura em que o primeiro presidente afro-americano dos Estados Unidos toma posse. O "Boss" apresentou, num novo concerto esta semana, uma nova canção chamada "Workin' On A Dream".

Também will.i.am, autor do "hino" de Barack Obama, "Yes We Can", já anunciou um novo tema sobre o novo líder americano. O rapper Nas promete seguir-lhe o exemplo.

Puddu Varano



Uma recuperação do ano 2000.
Estreia dos Puddu Varano, que entretanto acabaram em 2003.
Disco fresco, dançável que voltei a descobrir 8 anos depois e que continua a ouvir-me muito bem.
Experimentem:
Star 70

05 novembro 2008

Super Bock em Stock

Alguns dos nomes emergentes do panorama pop actual vão estar a 3 e 4 de Dezembro em Lisboa, mais concretamente, na Avenida da Liberdade, para a primeira edição do festival Super Bock em Stock.

The Walkmen, Lykke Li, Santogold e Ladyhake estreiam-se em Portugal. 2008, Rui Reininho, Deolinda, peixe:avião, Pontos Negros e João Coração formam a selecção nacional.

Os concertos decorrem nas salas 1 e 2 do Cinema São Jorge, Teatro Tivoli, Maxime e Teatro Variedades (Parque Mayer) e começam sempre às 21h30. Os bilhetes já se encontram à venda e têm o preço único de 40 euros.

Este passe dá acesso a todos os concertos. À porta de casa sala será disponibilizada uma aplicação bluetooth que cada espectador poderá descarregar para o seu telemóvel e que permitirá saber o número de lugares disponíveis em cada um dos locais, bem como outros conteúdos de interesse relacionados com o evento.

A Música no Coração, que organiza o evento, diz ainda que o Super Bock Em Stock pretende ser «um South by Southwest à dimensão de Lisboa», com os espectáculos a decorrerem à mesma hora nas quatro salas. A aposta centra-se em «novos valores» da pop sendo que o nome do festival se inspira no antigo programa de rádio Rock em Stock, de Luís Filipe Barros.

Ainda esta semana deverão ser acrescentados novos nomes. Este é o cartaz já conhecido:

3 de Dezembro

Maxime : A Fine Frenzy, El Perro del Mar
Tivoli : José James, Santogold
São Jorge : Ladyhawke, Rui Reininho
Sala 2 do São Jorge : doismileoito, Os Pontos Negros
Teatro Variedades : Caravan Palace, Guys From The Caravan, Tanya Stephens

4 de Dezembro

Maxime : Norberto Lobo + Jack Rose, The Profilers
Tivoli : The Walkmen, Marcelo Camelo
São Jorge : Phoebe, Deolinda
Sala 2 : Peixe : Avião. João Coração
Teatro Variedades : Lykke Li, Zita Swoon - A Band In A Box, X-Wife


in disco digital
por Davide Pinheiro

Beatles em Jogo

As canções dos Beatles vão ser a banda sonora do novo jogo de computador produzido pela MTV Games e a Harmonix, os criadores da série Rock Band.

Ainda sem título, o jogo foi apresentado pelo presidente da Harmonix, Alex Rigopulos, como "uma exploração criativa da música do grupo".

O jogo foi criado com a ajuda de Sir Paul MacCartney e de Ringo Starr. "É fantástico que a herança dos Beatles entre no século XXI através do mundo computadorizado", afirmou o exbaterista da célebre banda.

in Público

Contas Bizarras

Elvis Presley, o rei do rock, e Charles Schulz, o criador do famoso cachorro Snoopy, são duas das celebridades mortas que mais geraram dinheiro durante o último ano.

É o sexto ano em que a revista "Forbes" faz a lista de "celebridades mortas que dão mais lucro", publicada por altura do Dia de Todos os Santos.

Os lucros em torno de Elvis chegaram aos 41 milhões de euros - superando em muito os ganhos de grandes estrelas vivas e no activo, como Madonna ou Justin Timberlake. Por seu lado, Schulz, o criador da banda desenhada de Charlie Brown, gerou valores na ordem dos 26 milhões de euros.

O terceiro, e recém-chegado à lista, é o actor Heath Leger que, desde que morreu, em Janeiro de este ano, gerou cerca de 15 milhões de euros pelo seu papel de Joker na saga de Batman. A seguir na lista está o físico Albert Einstein, com 14 milhões de euros. O recém-morto mais destacado da lista é o actor Paul Newman e no final da lista está o músico e cantor de soul Marvin Gaye.

Os 13 ícones do top das celebridades mortas ganharam ao todo 212 milhões de euros nos últimos doze meses. O dinheiro vem dos direitos pagos para usar o seu nome e trabalho, assim como da venda de merchandising e de campanhas de marketing. Na lista estão também John Lennon, Andy Warhol, James Dean, Marilyn Monroe e Steve McQueen.

in público

04 novembro 2008

R.E.M. Celebram Fim da Era Bush

A banda americana R.E.M. comemorou ontem num espectáculo no Chile "o fim da era Bush e o começo de uma nova revolução nos Estados Unidos e em todo o mundo", relata agência EFE.

"Este é o último espectáculo dos R.E.M. com George W. Bush como presidente dos Estados Unidos, amanhã vamos celebrar o início de uma nova era na história", gritou entusiasmado o vocalista do grupo, Michael Stipe.

Milhares de jovens começaram nesse momento a cantar o nome do candidato democrata à Presidência dos Estados Unidos, enquanto os ecrãs exibiam a foto de um sorridente Barack Obama.

Os R.E.M. estão em digressão para promover seu novo álbum "Accelerate".

03 novembro 2008

Guru`s Jazzmatazz hoje no Casino Lisboa

Guru e as suas colecções Jazzmatazz estão de regresso a Portugal para um concerto no Casino Lisboa pelas 22h30.

A acompanhá-lo, vão estar Solar e os 7 Grand Players. Guru foi membro dos Gangstarr e já gravou quatro álbuns a solo onde recebeu convidados como Herbie Hancock e Roy Ayers.

Pela noite dentro, há DJ set de Moodyman. A entrada é livre.

02 novembro 2008

01 novembro 2008

Agenda para Hoje

Damo Suzuki & Loosers
Lisboa, Zé dos Bois, 23h00

Peter Murphy
Lisboa, Coliseu, 22h00